Casos de dengue no 1º semestre do ano crescem 906% em Ribeirão Preto
Publicado em 17/07/2015

O número de casos de dengue em Ribeirão Preto (SP) no primeiro semestre deste ano cresceu 906,9% em relação ao mesmo período no ano passado. De acordo com o balanço divulgado pela Vigilância Epidemiológica na quarta-feira (15), o município registrou 3.061 casos da doença entre janeiro e junho de 2015 e há grande risco de epidemia no próximo verão. Em 2014, foram 304 casos confirmados no primeiro semestre.

Na comparação mês a mês, no entanto, o número de casos diminuiu. Em maio deste ano, 941 pessoas foram infectadas. Já em junho, foram registrados 312 casos de pacientes com dengue, o que representa queda de 33% de infectados. De acordo com chefe da Vigilância Epidemiológica, Ana Alice Castro e Silva, a tendência é de que nos próximos meses o número de casos diminua. No entanto, é importante que a população continue com o trabalho de prevenção e eliminação de focos da dengue para evitar uma possível epidemia em 2016.
 

"Em 2015 não tivemos epidemia, mas é um ano extremamente preocupante porque houve alta transmissão da dengue. Todos os meses registramos um número alto de casos. Por isso, vários mosquitos contaminados podem ter colocado ovos. O risco de uma epidemia no próximo verão é muito grande", explica.

Mais casos na zona oeste
A zona oeste do município é a que concentra o maior número de pessoas infectadas no município, com 886 casos de dengue confirmados até o dia 30 de junho. A região ultrapassou os casos da zona leste, que em maio tinha a maioria dos pacientes com a doença.

Atualmente, a zona leste registrou 752 casos de dengue, seguida pela região norte, com 655 infetados. A área de menor incidência da doença é a zona sul, com 274 casos registrados.

Mortes
Ribeirão também confirmou a segunda morte por dengue este ano. A vítima foi Kele Cristina da Cruz, de 28 anos, diagnosticada com suspeita da doença no dia 19 de junho. Ela morreu três dias depois na Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas (HC-UE).

A outra vítima foi uma idosa de 60 anos portadora de doença crônica. A morte ocrreu em janeiro, mas confirmação da morte por dengue, no entanto, só foi concluída em maio.

Chikungunya
Até o momento, nenhum caso de infecção pelo vírus chikungunya, transmitido pelo Aedes aegypti, o mesmo mosquito que transmite a dengue, foi confirmado em Ribeirão. Segundo a Vigilância Epidemiológica, apenas quatro suspeitas foram notificadas no 1º semestre.

Voltar para Notícias