Veja os novos aumentos anunciados que pesam no bolso em 2015
Publicado em 02/02/2015

O ano mal começou e o consumidor já sente no bolso o peso dos aumentos anunciados para 2015. Apenas em janeiro, já ficaram mais caras as tarifas de ônibus, a conta de luz e o crédito pessoal. Os reajustes não param por aí. Para os próximos meses, já estão programados novos aumentos em outros serviços.

Veja abaixo as mudanças:

  •  
Crédito pessoal (Foto: G1)

O governo aumentou o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que incide nasoperações de crédito para o consumidor.

A alíquota passou de 1,5% para 3% ao ano (o equivalente à alta de 0,0041% para 0,0082% por dia). Esse valor será cobrado além dos 0,38% que incidem na abertura das operações de crédito. Com essa medida, o governo espera arrecadar R$ 7,38 bilhões neste ano.

Veja simulações dos efeitos da alta do IOF sobre o crédito ao consumidor.


taxa de juros (Foto: G1)

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu elevar nesta quarta-feira (21) os juros básicos da economia de 11,75% para 12,25% ao ano.

Com a decisão de aumentar a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, os juros sobem ao maior patamar desde meados de 2011, ou seja, em três anos e meio. Com taxas mais altas, a instituição tenta controlar o crédito e o consumo e, assim, segurar a inflação. E isso significa juros em alta para o consumidor.


Financiamento imobiliário (Foto: G1)

A Caixa Econômica Federal aumentou no dia 19 de janeiro as taxas de juros do financiamento imobiliário para contratos novos.

Não foram alteradas as taxas de juros dos financiamentos habitacionais contratados com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida e do FGTS.

Foram corrigidas as taxas de juros das operações para financiamento de imóveis residenciais contratadas com recursos da poupança (SBPE). De acordo com a Caixa, a mudança afeta quem tem renda acima de R$ 5,4 mil, que não utiliza os financiamentos habitacionais contratados com recursos do FGTS.

A taxa de juros cobrada pelo Sistema de Financiamento Habitacional (SFH), que financia imóveis de até R$ 750 mil com recursos tanto do FGTS como da poupança, permanece em 9,15% para quem não é cliente do banco e sofre alteração para quem é cliente, incluindo servidores públicos.

Já pelo Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI), que financia imóveis com valor acima de R$ 750 mil, a taxa de juros anual passará de 9,2% para 11% para os não-clientes.

Veja simulações de financiamento


Combustíveis (Foto: G1)

A partir deste domingo (1º), a tributação incidente sobre a gasolina e o diesel será elevada, conforme o decreto presidencial 8.395, publicado no "Diário Oficial da União" desta quinta-feira (29). A informação é da Secretaria da Receita Federal.

Segundo o Fisco, o impacto do aumento da tributação será de R$ 0,22 para a gasolina e de R$ 0,15 para o diesel. A expectativa do governo é arrecadar R$ 12,18 bilhões com esta medida em 2015.

O sindicato que representa os postos de combustíveis dizem que vão repassar integralmente para o consumidor o aumento dos impostos sobre a gasolina e diesel.


Conta de luz (Foto: G1)

Foi fixada para janeiro bandeira tarifária de cor vermelha para os consumidores de todos os estados do país, com exceção do Amazonas, Amapá e Roraima (que ainda não estão interligados com o sistema nacional de energia elétrica).

A definição da bandeira de cor vemelha significará um acréscimo de R$ 3,00 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos em janeiro.

Em janeiro de 2015, começou a vigorar o sistema de bandeiras tarifárias – que contará com as cores verde, amarela e vermelha – indicando as condições de geração de energia no país. O sistema funcionará como um "semáforo de trânsito", sinalizando nas contas de luz o custo de geração de energia para o consumidor.

Além dos reajustes que ocorrem uma vez por ano para cada distribuidora do país e das revisões periódicas, a Aneel também pode realizar as chamadas Revisões Tarifárias Extraordinárias a qualquer momento, “quando algum evento provocar significativo desequilíbrio econômico-financeiro” das distribuidoras.

Veja o que está fazendo a conta de luz subir


Tarifa de transportes (Foto: G1)

Algumas capitais já fizeram seus reajustes em 2015.

Boa Vista (RR)
A passagem do ônibus coletivo passou de R$ 2,60 para R$ 2,80. Estudantes pagam R$ 1,40.

Rio de Janeiro (RJ)
A tarifa de ônibus municipal e do Bilhete Único Carioca teve reajuste de 13,3% e passou a custar R$ 3,40. As passagens dos ônibus e vans intermunicipais tiveram reajustes de 12,46% – passando de R$ 2,80 para R$ 3,15. O valor do Bilhete Único acompanhará o índice, mudando de R$ 5,25 para R$ 5,90 a partir de 1º de fevereiro.

Salvador (BA)
A passagem em Salvador aumentou para R$ 3,00 a partir do dia 1º de janeiro.

São Paulo (SP)
A tarifa de ônibus subiu de R$ 3,00 para R$ 3,50, assim como a do Metrô. Já as tarifas do bilhete único nas modalidades mensal, semanal e diário (validade de 24 horas) ficaram congeladas. O valor do bilhete único integrado com o Metrô e os trens da CPTM passou para R$ 5,45. Estudantes de escolas públicas e universitários do Prouni, Fies e cotistas terão direito ao passe livre. Com os subsídios, o reajuste médio em São Paulo ficou em 7,92%.


Crédito do BNDES (Foto: G1)

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) fez uma revisão de suas políticas operacionais para concessão de financiamentos a partir de 2015. As taxas de juros subiram e a participação do banco nos projetos será reduzida.

Pelas condições atuais, o BNDES pode financiar até 90% do plano de investimento de uma empresa, sendo de iguais 90% a parcela do empréstimo corrigida pela Taxa de Juros de Longo Prazo (TJPL). Com a nova política operacional, nesse caso, os dois percentuais caem para 70%.

Para o Programa de Sustentação do Investimento (PSI), a participação do banco, que até então era de 100%, será de no máximo 70% do financiamento total. Já a taxa de juros irá variar, de acordo com a categoria, de 4% a 11% ao ano. Até então, as taxas variavam de 4% a 8% ao ano.


O QUE ESTÁ POR VIR:

Produtos importados (Foto: G1)

A partir de maio, as alíquotas do Imposto de Importação avançarão de 9,25% para 11,75%. O objetivo é compensar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que excluiu o ICMS das importações.

A expectativa é arrecadar R$ 694 milhões neste ano, segundo o Ministério da Fazenda.


  •  
Cosméticos (Foto: G1)

A partir de maio deste ano, o modelo de tributação dos atacadistas de cosméticos que são ligados a produtores. Com isso, deverá haver aumento da tributação sobre batons, esmaltes, laquês, alisadores de cabelos, maquiagens para olhos (rímel, sombra e delineador, por exemplo), além de cremes de barbear, sais aromáticos para banhos e odorizadores de ambiente. Shampoos e condicionadores não serão afetados.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), João Carlos Basílio, estima impacto de 12% nos preços dos produtos afetados. Segundo ele, deverá haver queda de vendas e, consequentemente, demissões.

Voltar para Notícias