Juro do cheque especial chega a 12,99% ao mês, mostra Procon-SP
Publicado em 16/12/2014

Do G1, em São Paulo

As taxas médias de juros cobradas pelos bancos no cheque especial subiram em dezembro, segundo pesquisa da Fundação Procon de São Paulo. Já as taxas do empréstimo pessoal caíram. A maior taxa de juros no cheque especial foi verificada no Santander, que é de 12,99%.

A taxa média do cheque especial passou de 10% para 10,15% ao mês. Dos sete bancos pesquisados, quatro subiram as taxas cobradas. A maior alta verificada foi na Caixa Econômica Federal, que passou de 6,33% para 7,03% ao mês, variação positiva de 11,06% em relação à taxa de novembro. O HSBC registrou variação positiva de 2,50%, o Banco do Brasil, 0,22% e o Bradesco, 0,21%. Os demais bancos mantiveram suas taxas de cheque especial.

TAXAS DE JUROS COBRADAS
Banco Empréstimo pessoal (em % ao mês) Cheque especial (em % ao mês)
Banco do Brasil 5,07 8,97
Bradesco 6,45 9,77
Caixa 3,91 7,03
HSBC 6,39 12,29
Itaú 6,22 10,5
Safra 5,4 9,5
Santander 7,49 12,99

Já no empréstimo pessoal, dois elevaram a taxa, sendo que em um dos bancos pesquisados houve redução, os demais permaneceram com os mesmos índices praticados no mês anterior. A taxa média foi de 5,85% ao mês, inferior à do mês anterior, que foi de 6,01%, representando um decréscimo de 0,16 ponto percentual.

A maior alta foi verificada na Caixa Econômica Federal, que alterou de 3,75% para 3,91% ao mês, representando uma variação positiva de 4,27% em relação à taxa do mês anterior. A única queda constatada foi no Banco Bradesco, alteração de 7,76% para 6,45% ao mês, variação negativa de 16,88% em relação à taxa de novembro. 

A pesquisa foi realizada pelo Procon estadual de São Paulo, com dados coletados no dia 4 de dezembro em sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

Segundo a entidade, os aumentos são reflexo da alta da Selic, que passou de 11,25% para 11,75% neste mês.

Cautela nos gastos
O Procon-SP recomenda que com o recebimento do 13º salário, o consumidor dê prioridade na quitação de dívidas e, na medida do possível, evite contração de novos empréstimos, visto que os juros estão em ascensão. Os consumidores devem, ainda, evitar a utilização do limite do cheque especial e o rotativo do cartão de crédito, programando seus gastos na exata medida do seu orçamento. E aos que tiverem possibilidade de quitar os tributos de início do ano como IPTU e IPVA, que o façam à vista, uma vez que os descontos costumam se apresentar bem vantajosos, diminuindo o comprometimento da renda nos meses seguintes.

Voltar para Notícias