Carnaval de rua de SP não poderá ter abadás e cordas que separem blocos
Publicado em 06/02/2014

O carnaval de rua de São Paulo não poderá ter abadás e cordas que separem os blocos do público, de acordo com decreto publicado no Diário Oficial da Cidade de São Paulo desta quinta-feira (6). A ideia, segundo o texto, é não permitir a “segregação”.

“Tratando-se de ocupação temporária de bens públicos, nas manifestações do Carnaval de Rua não poderão ser utilizadas cordas, correntes, grades e outros meios de segregação do espaço que inibam a livre circulação do público, permitindo-se o uso de vestuário distintivo que apenas identifique o respectivo grupo, sem que se constitua em elemento condicionante à participação”, diz o terceiro artigo do decreto.
 

Em cidades como Salvador, na Bahia, os abadás são pagos e os blocos acabam privatizando o espaço público.

O decreto também determina que os blocos percorram o itinerário tradicional de acordo com programação previamente divulgada e que não permaneçam parados em pontos fixos, “devendo sempre circular, como forma de promover a melhor convivência com a vizinhança e o tráfego”.

Uma comissão, formada por representantes de diversas secretarias da prefeitura fica responsável por dialogar com os responsáveis pelos blocos e com moradores e comerciantes. A São Paulo Turismo, Secretaria de Cultura, Secretaria do Governo Municipal e a Secretaria de Subprefeituras fazem parte da comissão.

As subprefeituras devem, entre outras coisas, criar um plano de cooperação institucional entre a Guarda Civil Metropolitana e demais forças policiais, analisar o itinerário, o impacto no trânsito e criar sinalização temporária.

Cadastro
As inscrições para os blocos e cordões carnavalescos devem ser feitas pelo sitewww.carnavalderuadesaopaulo.com.br até esta sexta-feira (7). Para aqueles que sairão na própria sexta-feira, as inscrições deverão ser realizadas até esta quinta-feira (6). O cadastro é voluntário e gratuito. Os blocos que preencherem o formulário serão incluídos no programa de serviços, "considerando as dimensões e necessidades de cada um", diz o site da prefeitura.

Voltar para Notícias