Portugal Telecom e Oi anunciam fusão e criam gigante de R$ 40 bilhões
Publicado em 02/10/2013

A Portugal Telecom e a brasileira Oi anunciaram nesta quarta-feira (2) que irão formalizar processo de fusão entre as empresas. A Portugal Telecom já era a principal acionista da operadora brasileira, com 23,6% de participação.
 

O acordo prevê um aumento de capital de pelo menos R$ 7 bilhões na operadora brasileira. De acordo com o documento, o executivo Zeinal Bava, atual diretor executivo da Oi e da Portugal Telecom, presidirá a nova sociedade, que recebe o nome de CorpCo.

O executivo afirmou que a empresa resultante da fusão com a Portugal Telecom pretende ser uma das principais do setor no mundo. Para Bava, a nova empresa tem potencial de alto crescimento no mercado brasileiro.

"A ambição é estar entre os maiores players globais, assumindo uma vocação multinacional, desde a primeira hora, num setor em profunda transformação e afirmando-se como uma referência em termos de inovação tecnológica, excelência operacional e criação de valor acionista", disse.
 

As empresas estimam sinergias operacionais e financeiras de aproximadamente R$ 5,5 bilhões, que devem aumentar conforme a CorpCo consiga aumentar sua liderança em Portugal, na África e no Brasil. Nesse contexto, sinergia significa economia de gastos pela fusão de departamentos.

A combinação de operações vai cobrir uma área geográfica com cerca de 260 milhões de habitantes, ter cerca de 100 milhões de clientes e ter um faturamento de cerca de R$ 40 bilhões, segundo as companhias de telecomunicações.

"A transação consolidará a posição das duas sociedades como o operador líder nos países de língua portuguesa, liderando em todos os mercados em que opera", diz o comunicado.

A nova empresa terá ações na Bovespa, na Bolsa de Portugal e em Nova York, nos EUA. As companhias afirmaram que os atuais acionistas da TelPart (Telemar Participações) e um veículo de investimento administrado e gerido pelo BTG Pactual (BBTG11), participarão da operação de aumento de capital com subscrição de cerca de R$ 2 bilhões.

Cada ação ordinária da Oi será substituída por uma ação ordinária da CorpCo. As ações ordinárias dão direito a voto. No caso das ações preferenciais (sem direito a voto), cada 1,0857 ação preferencial da Oi será substituída por uma ação ordinária da CorpCo.
 

Voltar para Notícias